Portal de Saúde Pública

Investigação e Estatística

Anexo 1 Revisão Bibliográfica

Download do manual

1- Porque fazer a pesquisa bibliográfica?

Na fase inicial da elaboração de um protocolo de investigação é necessário fazer a revisão bibliográfica do assunto com os seguintes objectivos:

- Saber se alguém já publicou as respostas às nossas questões, para decidir da pertinência de repetir uma investigação com objectivos idênticos;

- Saber quais os métodos utilizados em investigações similares, para decidir sobre o melhor método a utilizar;

- Quando pretendemos enveredar por um estudo de desenho experimental ou analítico, no qual pomos hipóteses sobre a associação entre variáveis, a revisão bibliográfica permite enquadrarmos o nosso estudo num modelo de causalidade e, assim, diferenciar quais serão as variáveis de exposição, de resposta e, sobretudo, as variáveis interferentes. Estas variáveis interferentes (sejam elas de confusão ou apenas modificadoras do efeito), deverão ser identificadas logo no início do estudo através do que já é sabido sobre o assunto. Isto possibilitará desenhar adequadamente o estudo de forma a controlar estas variáveis, não deixando que as mesmas confundam os nossos resultados (no Anexo 2. explica-se melhor esta problemática).

 

2- Como fazer a pesquisa bibliográfica?

A revisão bibliográfica, em primeiro lugar, deverá ser efectuada nos livros de texto e tratados, de forma a enquadrar o melhor possível o problema a investigar.

No entanto, quando queremos fazer investigação, é também obrigatório ler aquilo que há de mais actual sobre o assunto, e isto só se encontra em revistas periódicas ou através da consulta de teses de doutoramento em mestrados. A questão é saber onde estão os artigos que nos interessam no meio das dezenas de milhares que são publicados anualmente.

Para identificar estes artigos deverá fazer a pesquisa nas fontes secundárias (publicações que indexam a informação bibliográfica de milhares de artigos, por assunto, palavras-chave, autores, revistas, etc.). Actualmente, é muito comum fazer tais pesquisas em computador, embora ainda seja possível fazê-las em publicações de papel. Estas fontes secundárias, em muitos casos, incluem os resumos dos artigos, o que possibilita obter rapidamente uma ideia sobre os artigos que nos interessam.

Estas pesquisas podem ser feitas nas próprias bibliotecas. Neste caso, temos a vantagem de ser ajudados pelo técnico da biblioteca e, podemos pedir imediatamente os artigos que queremos. As bibliotecas quando não têm os artigos, frequentemente, através de convénios com outras bibliotecas, podem fornecê-los.

Sucede que temos que ser criteriosos na nossa selecção, caso contrário, arriscamo-nos a ler demasiados artigos que não nos vão interessar e, eventualmente, a ter que pagar o envio destes artigos desnecessariamente.

Em Portugal, a biblioteca que, na área da toxicodependência, melhor nos pode prestar tais serviços é, sem sombra de dúvida, a do Instituto da Droga e Toxicodependência.

No Algarve, recomendaria o Centro de Documentação da Administração Regional de Saúde e a Biblioteca da Universidade do Algarve.

No entanto, actualmente, é ainda possível fazer todas estas pesquisas em casa, desde que tenhamos ligação à Internet. Depois das pesquisas, será possível também solicitar os artigos em casa embora, frequentemente, seja necessário pagar este envio.

Índice

Parte 1 - metodologia básica da investigação

1º  Identificação do assunto a investigar

2º  Identificação das variáveis do estudo

3º  Identificação da população e amostra do estudo

4º  Definição do desenho do estudo

5º  Planeamento da recolha e análise dos dados

6º  Interpretação dos resultados (e elaboração do relatório)

Parte 2 - noções de estatística

1. Estatística descritiva

2. Estatística dedutiva

2.1  Intervalos de confiança

2.2  Testes Qui-quadrado e Fisher

2.3  Testes de Student / ANOVA e de Mann-Whitney / Kruskal-Wallis

3. Força da associação

3.1  Estudos de coorte

3.2  Estudos de caso-controlo

Anexo 1 - Revisão bibliográfica

Anexo 2 - Controlo das variáveis interferentes

Anexo 3 - Cálculo da dimensão da amostra

Bibliografia

Eis alguns endereços onde tais pesquisas podem ser feitas:

Annual Reviewes - Intelligent Synthesis of the Scientific Literature. Excelente base de dados bibliográfica na área das ciências biomédicas, físicas, sociais etc. (inclui temas de saúde pública)

Base de dados da Organização Mundial da Saúde. Possibilita pesquisas de toda a documentação da OMS, e tem hiperligações para dicionários e outras bases de dados bibliográficas (em inglês, espanhol e francês)

Bases de Datos de Tesis Doctorales (TESEO). Base de dados de teses espanholas. Pode-se saber em que universidade está a tese e as diversas bibliotecas em Espanha onde é possível consultá-las

Instituto da Droga e Toxicodependência. Um site com muita informação oficial na área da toxicodependência onde se poderá pesquisar artigos e documentos na sua biblioteca (que é seguramente a melhor do país sobre o assunto)

National Library of Medicine - Medline. Talvez a melhor base de dados em biomedicina

Há também endereços de revistas especializadas onde podemos pesquisar artigos:

American Journal of Epidemmiology

American Journal of Public Health

Annals of Epidemioloy

British Medical Journal

Journal of the American Medical Association - JAMA

Journal of Public Health

The Lancet

The journals of the British Psychological Society. Possibilita pesquisar e solicitar artigos de várias revistas ligadas à Psicologia.

Para mais endereços consulte a secção de hiperligações (links).

Finalmente, há ainda a estratégia de pesquisa bibliográfica em árvore: quando num artigo interessante, verificamos que existem referências bibliográficas sobre um assunto, tentamos aceder aos artigos citados. Este método pode clarificar aspectos e pormenores importantes, mas tem o defeito de fazer depender demasiado a pesquisa bibliográfica de um só artigo ou autor, pelo que nunca deverá ser o método único de pesquisa bibliográfica.

© António Paula Brito de Pina, 2006